Laimons e Rebeca

Laimons e Rebeca

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Gamificação e Benefícios-Flex: Tendências Em Gestão de Pessoas

Uma das maiores preocupações da Diretoria das empresas em relação à gestão de pessoas é a retenção de talentos, principalmente quando se verifica os indicadores de rotatividade e absenteísmo.

Apesar de existirem públicos internos diferenciados entre tipos de negócios em que a empresa atua, o problema é generalizado no quesito retenção de talentos. Seja entre os Operadores de Telemarketing ou entre os Engenheiros pós graduados atuantes em grandes projetos.

Profissionais estão engajados com a empresa, até que alguém ofereça um "Q" a mais e você perde o profissional (talvez a pérola do seu time!!!).

Uma das capacidades que bons líderes (alinhados à diretoria das empresas) precisam desenvolver é a de observar as práticas e tendências e não demorar a aplicar algo relevante para seu time de profissionais, visando a permanência deles na  empresa.
Há muitos "pacotes" e "enlatados" de práticas de mercado que podem parecer desnecessários ou não aplicáveis à sua empresa. Mas observe melhor e perceba que com algumas mudanças e redesenhos, você pode trazer algo inovador e customizado para a sua empresa e para o seu público.

Duas tendências que me chamam a atenção é a GAMIFICAÇÃO e os BENEFÍCIOS-FLEX.
A gamificação leva a um ambiente de trabalho de competitividade voltada muito mais para a geração Y (isso é ótimo já que é nesta geração que estamos inseridos!!!). O ambiente se torna pronto a gerar reconhecimento pela performance do colaborador e dá a todos os colaboradores o poder de reconhecer outros, independente de nível hierárquico. Há muito mais na gamificação como o mentoring, coaching, integração e tudo isso em um ambiente de games.

A flexibilização de benefícios tem sido outro diferencial que faz muita diferença no momento de um profissional escolher a sua empresa ao invés de outra (inclusive a escolha de não sair dela)! Flexibilizar o pacote de benefícios tem a ver com não ter custos com aquilo que não faz sentido para o profissional e investir em algo que realmente ele vá utilizar. Por exemplo, você contrata uma funcionária e inclui a pessoa em seu plano de saúde, que é excelente. No entanto, o cônjuge já trabalha em outra empresa que oferece o mesmo benefício e ela já possui como dependente do cônjuge. Que tal então investir o valor deste benefício em um curso de Inglês, ou em parte do pagamento da pós-graduação? E se aumentar o valor do Vale Alimentação? Pode ser muito mais satisfatório quando o profissional pode escolher. 

É claro que há de se observar as questões legais como os benefícios que a CCT obriga a empresa a oferecer, inclusive, quem sabe não é hora de redesenhar e explicar ao Sindicato sobre a sua ideia de trazer algo melhor do que os benefícios na forma que são exigidos na Convenção Coletiva de Trabalho?

Enfim, a dica não está exatamente na gamificação ou flexibilização de benefícios, mas em um olhar geral em tudo o que você oferece aos colaboradores. Talvez a pergunta a se fazer seja: Realmente tudo (o que oferecemos)  faz sentido para todos (os colaboradores)?

Forte Abraço!

Laimons Bumbeers
Gestor de Recursos Humanos da Geasanevita

Bacharel em Administração e Teologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário